sexta-feira, 26 de agosto de 2011

O Windows, o aeroporto e o capeta

Por Igor de Oliveira Costa

A situação é simples. Corriqueira até. Você está à frente do computador, lendo seus e-mails (com ou sem hífen, não sei mais) e, de repente, olha para o canto inferior esquerdo do monitor e percebe que são sete horas. Como numa imitação de Arquimedes, seu cérebro grita dentro da sua cabeça. Não um eureka! sem sentido, que você não está procurando nada, mas um aviso de alerta vermelho piscante com sirenes de filme de guerra. Você está atrasado. O voo sai às nove horas e quarenta e um minutos, pontualmente. Mas sai do Galeão, a sabe-se lá quantos quilômetros da Zona Sul. E, às sete horas de uma sexta-feira, o trânsito na Linha Vermelha é uma delícia. E você ainda tem de fazer o check-in!

Sem pensar duas vezes, você aperta o botão para desligar o computador e corre para enfiar uma camisa e um tênis, sem meia, porque não dá tempo. E volta correndo para desligar o estabilizador, já com a mochila nas costas. A tela ainda está azul brilhante e não preta e apagada, como deveria estar. Então, nesse exato instante, você percebe o inconcebível. O Windows está instalando novas atualizações, baixadas automaticamente enquanto você estava conectado. Instalando atualização 02 de 35, a máquina avisa, para te deixar mais tranquilo.

Isso será rápido, você pensa, mas três minutos depois – e olha que já são sete e onze! – o seu potente computador completou vinte e cinco por cento... da atualização número dois, claro. Isso não será rápido. De modo algum.

Você tem que pensar em alguma coisa rapidamente ou perderá o voo. A primeira opção que vem à mente é meter o dedo no botão do estabilizador e mandar tudo para as cucuias. Mas então, como que lendo os seus pensamentos, a máquina grita uma ameaça: não desligue ou desconecte o computador. E, para compensar, ele será desligado automaticamente.

Como numa premonição bizarra, você vislumbra uma mensagem demoníaca aparecendo numa tela vermelha assim que você aperta o maldito botão. O computador está sendo formatado. Todos os dados serão apagados permanentemente. Todos os seus trabalhos de meses e meses simplesmente desaparecendo assim que você aperta o maldito botão. Não, você não pode desligar. Você tem que fazer alguma outra coisa.

Enquanto você decide, o fabuloso sistema do Bill Gates – que o diabo o carregue! Sua próxima máquina será um Apple! – informa que já completou setenta e cinco por cento da segunda atualização. E já são sete e treze!

Mas nesse instante uma solução simples surge à cabeça. Você corre para a cozinha, pega o interfone e disca para a portaria.

Uma eternidade para atender.

– Seu Zé? Eu estou um pouco atrasado. Será que o senhor poderia ficar com a chave do meu apartamento e desligar o meu computador, que está atualizando uns dados?

– Hummm... – mais uma eternidade – Mas eu não sei mexer em computador, não, filho?

– Não precisa saber mexer, não, seu Zé. É só desligar aqui no botão.

– Mas o senhor sabe que é norma do condomínio que o porteiro não pode guardar a chave, num sabe?

– E tem isso?! – você se surpreende. Que diabos de norma é essa? Quem iria inventar uma coisa tão estapafúrdia. Onde já se viu um porteiro sem chaves.

– Tem, ué! Ficou decido na última reunião. – bem que seu pai diz que você tem que participar mais das reuniões do condomínio.

- Tá bom, então, seu Zé. Brigado, tá? – você ainda se lembra de agradecer, mas volta correndo para o computador, com a esperança algo infantil, algo demente, de que as atualizações acabaram. Instalando atualização 03 de 35, ele avisa, com um semblante sarcástico. Você quase consegue visualizar o sorriso amarelo da máquina por trás da impassível parede azul.

No seu relógio, são exatamente sete horas e dezessete minutos.

Quer saber, que se dane! E você toma uma atitude desesperada. Mete o dedo no botão e desliga o estabilizador. A tela apaga depois de um piscar hesitante, que você toma como o último suspiro da máquina.

Sem sequer entoar um réquiem em homenagem a todos os dados que você agora considera perdidos, sai correndo para pedir um táxi rumo ao aeroporto. Chega em cima da hora, mas, devido à enorme eficiência da aviação brasileira, ou a alguma intervenção do capeta, o seu voo, assim como dezenas de outros, foram todos cancelados. Não há previsão de melhora do tráfego aéreo nas próximas semanas.


P.S: Essa é uma história fictícia, que surgiu de um papo entre amigos outro dia, mas olhem o que o cidadão relata aqui, onde eu encontrei a imagem que ilustra esse post.

10 comentários:

  1. rindo. muito.
    mas eu deixaria o computador atualizando, eu sempre esqueço de desligar o estabilizador mesmo :s

    ResponderExcluir
  2. Muito bom, Igor! Ri muito!

    Acho que todos já passaram por alguma situação parecida.

    ResponderExcluir
  3. -- É uma situação realmente chata quando acontece essas instalações. Mas sempre tem uma mensagem da instalação. No entanto, como sempre quando acontece isso a maioria das pessoas estão com pressa, bate o desespero.
    -- Nao entendi o desespero ja que depois da instalação das atualizações, o pc desligará automaticamente. Ai só restará o led do estabilizador (se tiveres um) ficará acesso no final do processo. Eu chamo isso de criar problema onde nao tem.

    ResponderExcluir
  4. À Li e à Sula:

    Que bom que vocês gostaram. Eu também gostei muito de escrever esse texto. Tô achando que vou virar cronista agora. rsrsrs

    Ao Rafael:

    É, talvez você tenha razão... mas, e se o cidadão for ficar uma semana fora de casa? Eu me incomodaria de deixar o estabilizador ligado. Vai que acontece um apagão, um explosão da Light ou qualquer coisa assim. Além do mais, o cara estava com pressa e nem se ligou nisso. rsrsrs

    Abraços a todos

    ResponderExcluir
  5. Igor,
    Instalar atualizacao do windows momentos antes de uma viagem eh algo louvavel..uma mente brilhante ne?! rs
    A pessoas ja sabe q o processo pode demorar horas e nao tem previsao certa na maioria das vezes..e o pior..esta viajando...logo..Na volta tera q fazer td isso para novas ataliz. Pq nao fazer td na volta?!!rs

    Esse ser merece td isso e mais um pouco..rs

    sem mais..
    abc

    ResponderExcluir
  6. é por isso que eu me liberto cada vez mais desses negóciu de computador... coisa do demo... kkkkkk

    abç

    salomão

    ResponderExcluir
  7. Ao Ivan:
    É Ivan, concordo com você, mas acho que um amigo nosso, que é todo ligado nessas questões de computador, bem que faria uma coisa dessas. rsrsrs

    Ao Salomão:
    Você é contraditório: o cara que mais comenta no meu blog é o cara que corre do computador? rsrsrs

    ResponderExcluir
  8. Eu adoraria ler suas crônicas, Igor!

    ResponderExcluir
  9. Poisé...
    Depois que eu postei que vi a besteira que coloquei.
    Tentei apagar mas não consegui...rs
    Então corrigindo: Adoraria ler OUTRAS crônicas!! haha

    ResponderExcluir